Viver Telheiras

Crónica de uma carícia

De Telheiras para o Mundo / Novembro 26, 2015

Sempre que chega o momento de escrever esta crónica enfrento-me com a grande pergunta: escrever… sobre o quê? Hoje por acaso alguém me disse que podia escrever sobre as carícias e achei até interessante o repto. É assim um bocado poético demais, mas um bocado de poesia nem faz mal ao mundo. Achei interessante também porque o outono chegou a Lisboa, a este país e a este lado do mundo com agitação demais. Uma guerra, atentados, machismo, fascismo, a casa suja, Lisboa a chegar ao fim, as saudades de casa e da família, a Troika, a corrupção, a manipulação, um presidente de Espanha que suspende debates eleitorais para comentar um jogo de futebol na rádio, fronteiras fechadas, “a culpa é dos refugiados”, a França bombardeia a Síria…

93 feminicídios em Espanha. Silêncio, silêncio e mais silêncio.

Há dias ou semanas em que uma pessoa se sente sozinha contra o mundo e, por sobrevivência, tem mesmo de procurar carícias ou, o que vem sendo a mesma coisa, as prendas pequeninas que no dia-a-dia vão aparecendo pelo caminho.

Ontem adormeci chateada. Fomos à manifestação do 25 de Novembro contra a violência machista e, como mulher feminista e que sempre esteve ligada aos movimentos em defesa dos direitos das mulheres, fui com uma vontade imensa de berrar, de dançar e celebrar o facto de estar num espaço de partilha com mais mulheres a lutar a favor de um mundo com equidade e mais justo connosco. Pessoal, o que se passa nesta cidade nas manifs? Como é possível, para além da escassa participação para estarmos na capital de um país, ninguém se mexer na rua? O que vamos conseguir numa manif em que somos como ovelhinhas a caminhar sem sequer abrir a boca. Onde é que vamos reivindicar os nossos direitos se não é nas ruas e juntas? Acreditem mesmo que voltei a casa triste e com a sensação de estar numa luta perdida. E por sobrevivência, quando chega esta altura em que a lua cheia e o mundo fazem com que me converta num lobo a uivar no meio da noite, tenho mesmo de procurar essas carícias e miminhos que ainda existem na terra.

Assim, hoje acordei com esse repto de escrever sobre as carícias, fui tomar duche e achei que era dia de agradecer. Agradecer que durante estes dez meses estão a acontecer coisas imensamente lindas nesta cidade. Que para além das pessoas que agora já fazem parte da minha vida para sempre, cada dia Lisboa oferece-me uma carícia para me dizer “Olha, que estás cá!”. Agradecer o cheiro a castanhas nas ruas, e as folhas secas no chão, agradecer cada sorriso de vizinhos e vizinhas de Telheiras que já nos fazem sentir mais deste bairro que do nosso próprio, as piadas da Conceição do Espigasol, o café quentinho da manhã da Matilde, ou os miminhos do Jacquie e o Vasco no Melkia. As luzes de Natal na Baixa, os abraços dos meus colegas de casa, a voz da Mayra Andrade ao vivo ou uma foliada improvisada nalgum clube da Rua Madalena. Obrigada Lisboa, por esta luz de inverno e este frio que já me deixa sair à rua com o meu casaquinho vermelho. Obrigada por cada carícia que recebo nesta casinha, que é formada por várias casas, bairros, ruas e pessoas e que me fazem acreditar que ainda há algo de cordura neste mundo de doidos.

As minhas carícias de hoje são para todas as mulheres que lutam com raiva e ternura na vida, sempre a dançar e sempre a sorrir.

PS. E obrigada a George Harrison por ser sempre a minha banda sonora favorita na hora de procurar a calma e inspiração precisas para escrever estas crónicas :)

 

María Mascuñana

María é uma jovem do norte de Espanha que colabora com  o Centro de Convergência de Telheiras através do Serviço de Voluntariado Europeu. Galega e de coração transatlântico, é educadora social, curiosa e viajante. Depois de morar um ano em Lisboa, cidade que a fez “alfacinha”, passou a trabalhar em diferentes entidades sociais e educativas da Galiza para finalmente voltar a terras lusas através do Serviço de Voluntariado Europeu.

A Sonia é pedagoga e educadora social, natural da Galiza, amante de cães, da praia, de viajar e descobrir o mundo lá fora. Tem trabalhado durante vários anos na área social e agora vem experimentar a realidade lisboeta. É a menina mais sorridente que vão encontrar em Telheiras a conversar com qualquer pessoa!

“De Telheiras para o mundo” é um conjunto de crónicas sobre as suas vivências e reflexões inspiradas no bairro de Telheiras e na cidade de Lisboa.

De Telheiras para o Mundo / Novembro 26, 2015

Últimas

  • Dezembro 24, 2021
    Boas_festas_2019

    Boas Festas!

    A partir de 11 de Janeiro estaremos de volta para continuar a trazer-vos as notícias do bairro. Vemo-nos em 2022!

  • Dezembro 13, 2021
    apoioavida-cartaz-natal2021-escolas-capa

    Associação de Pais lança campanha solidária com a Apoio à Vida

    Até 15 de Dezembro, a APais está a aceitar doações de bens que a Apoio à Vida precisa para o seu trabalho. Os produtos podem ser entregues na EB1 e no JI de Telheiras.

  • Dezembro 6, 2021
    ART Feira do Livro Doado 2021 capa

    ART promove Feira do Livro D(o)ado

    Se tem livros jogos didáticos que queira entregar para uma segunda oportunidade junto de novos donos, leve-os à ART no dia 7, entre as 10h e as 16h. Depois, apareça na ART nos dias 9 e 10, entre as 10h e as 16h e escolha e leve gratuitamente um ou mais livros ou jogos.

Projectos Comunitários

Newsletter banner
GEPE-banner
BN_NWLT_LX•CONNECT
  • AJEC Apoio Associação de Pais da Escola Básica e Jardim de Infância de Telheiras Apoio UITN logo Apoio BMOR3 Apoio ETPL Apoio Julgado de Paz Apoio Centro Comunitário de Telheiras Apoio ART_site Apoio
  • Esquadra Apoio refood apoio CNE 683 Escuteiros 2 Apoio JFL Voluntários de Protecção Civil de Telheiras_apoio APCL Logo Apoio PSOPortugal_apoio
loading website

Aguarde um momento porfavor.