Viver Telheiras

Tipo César Millan, mas ao contrário

Cães, gatos e outros factos / Março 2, 2016

O conceito de ensinar um cão com recompensa versus castigo é bastante conhecido. É intuitivo, se o cão é recompensado por fazer algo, esperamos que perceba que é para fazê-lo, e se o cão é castigado por fazer outra coisa espera-se que não volte a fazê-lo.

Mas sabendo que, a maioria das vezes que pensamos em “treinar” o nosso cão, estamos na realidade a querer eliminar determinados comportamentos, este conceito é tremendamente redutor. Aprender (e neste caso desaprender) é um processo e não uma transformação que aconteça numa nova e única associação entre comportamento e consequência.

Vi muitos episódios do Dog Whisperer, a série americana com o treinador César Millan. No episódio típico o treinador começa por conversar com os donos para compreender a situação, para de seguida pôr a “fera” em cheque assim que a conhece. Imagine que os donos dizem algo como “Ele morde-me sempre que eu pego na esfregona.” Então o que é que o treinador vai fazer? Pegar na esfregona e ficar à espera que o cão o tente morder. Quando morder (note-se que não é uma surpresa, foi isso que os donos disseram que ia acontecer) o cão é castigado. É mais ou menos como alguém decidir nas minhas costas que eu devo fazer dieta, pôr um bolo delicioso à minha frente e dar-me uma bofetada por pegar num pedaço.

É verdade que é lógico, o que se pretende é dizer ao cão que não deve morder quando vê a esfregona. Para lhe dizer que não o deve fazer (leia-se castigar), o cão tem que, primeiro, fazer o comportamento errado. É o método que mais existe no treino canino – incitar o cão a falhar redondamente. Não lhe parece injusto?

Há outra abordagem, oposta a esta. Em vez de criarmos um contexto em que sabemos que o cão vai fazer o errado, criamos um contexto em que tenha tendência para fazer o certo, promovendo comportamentos alternativos ao que queremos eliminar.

Voltando ao exemplo de cima. O que é que existe no mundo que pode fazer com que um cão não queira morder uma esfregona? Comida! Se atirarmos bocadinhos de comida para o chão enquanto o cão vê a esfregona estamos a criar um contexto em que o cão consegue ver a esfregona sem nos desatar a morder, pois está entretido com a comida.

“Mas o cão só não está a morder porque há comida no chão!” Certo. Neste caso a comida não é propriamente uma recompensa, e é por isso que pensar só em recompensa versus castigo é insuficiente. O objectivo é que, à medida que o cão estiver várias vezes no cenário que geralmente o estimulava a morder, se aperceba que ficou igualmente bem sem ter mordido, e aprenda que não é preciso morder para ficar satisfeito, seguro, ou o que quer que fosse que o fazia morder (Não esquecendo a importância de avaliar o que leva o cão a morder!).

Convém ir evoluindo a dificuldade apontando sempre para o sucesso em cada etapa, até chegarmos ao ponto de o cão se comportar 100% como queríamos. Há pequenas coisas que podem promover esta evolução. No exemplo da esfregona, vamos aumentando: o tempo em que utilizamos a esfregona, a velocidade a que ela se mexe e a proximidade da esfregona ao cão. Inversamente, vamos diminuindo: a quantidade da comida que damos ao cão, o valor dessa comida (desde salsicha à ração) e vamos diminuindo também o nível de contenção do cão, começando, por exemplo, com o cão numa outra divisão mas com vista para a esfregona, depois tê-lo mais perto com uma trela pelo chão, até termos o cão solto ao pé da esfregona. Os cães são todos diferentes mas estes factores servem para a maioria.

É muito eficaz treinar os cães desta forma, contudo não nos é intuitivo. Se há algum comportamento que quer que o seu cão pare de fazer, enumere comportamentos alternativos que ele pode fazer em vez desse. Depois, faça uma lista das coisas que podem incentivá-lo a comportar-se adequadamente e ordene-as por nível de dificuldade, como no exemplo em cima. Finalmente, treine o seu cão em cenários de nível mais fácil até ao mais difícil.

Bom trabalho!

Nota:
Existem vários treinadores que trabalham desta forma – progressiva e positiva. Mas a Emily Larlham, da Dogmantics, foi quem mais me inspirou a treinar de forma a que o cão seja bem-sucedido ao longo do treino. Deixo o link do site para quem quiser explorar: http://dogmantics.com/

Além da Trela

Além da Trela tem como missão promover uma relação excelente entre donos e os seus cães, com base na confiança, respeito e alegria, através de técnicas positivas de aprendizagem.

Cães, gatos e outros factos / Março 2, 2016

Últimas

  • Novembro 23, 2017
    Colégio Mira Rio

    Colégio Mira Rio abre as portas a Telheiras

    O “novo” Mira Rio apresenta valências para alunos e alunas dos 4 meses até ao 12º ano. A sala multiusos estará disponível para ser utilizada pela comunidade telheirense para eventos culturais, palestras, conferências, reuniões ou outras actividades semelhantes.

  • Novembro 22, 2017
    teatroàparte celebra 20 anos com fim-de-semana de curtas

    teatroàparte celebra 20 anos com fim-de-semana de curtas

    No próximo fim-de-semana o teatroàparte leva a cena 12 curtas encenadas por vários dos encenadores que já passaram pelo grupo, com a participação de actores que deram vida aos palcos do nosso bairro ao longo destas duas décadas.

  • Novembro 17, 2017
    Melhorias nas ruas de Telheiras em votação no Orçamento Participativo

    Melhorias nas ruas de Telheiras em votação no Orçamento Participativo

    Os cidadãos podem votar enviando um sms grátis com o número do projecto escolhido para o 4310, ou através do site Lisboa Participa.

Projectos Comunitários

Newsletter banner
GEPE-banner
  • UITN logo Apoio Associação de Pais da Escola Básica e Jardim de Infância de Telheiras Apoio Julgado de Paz Apoio JFL Centro Comunitário de Telheiras Apoio Voluntários de Protecção Civil de Telheiras_apoio APCL Logo Apoio refood apoio
  • Esquadra Apoio AJEC Apoio CNE 683 Escuteiros 2 Apoio ETPL Apoio BMOR3 Apoio ART_site Apoio
loading website

Aguarde um momento porfavor.